Argumentação - Falácias e Formas Abusivas de Inconsistência

Estes são alguns dos casos mais comuns de falacia e inconsistência de argumentação, utilizados para evitar armadilhas lógicas na própria argumentação e para analisar argumentação alheia.


Argumentum ad Baculum (Apelo a força)
Utilização da força ou da ameaça para impor a conclusão.
Ex: Aqueles que se recusarem a aceitar a Bíblia irão queimar no inferno!

Argumentum ad Hominem
Ao invés do argumentador provar a falsidade do enunciado, ele ataca a pessoa que fez o enunciado.
Ex: Ateísmo é ruim, é praticado por comunistas e assassinos.

Argumentum ad Ignorantium (argumento da ignorância)
Ocorre quando algo é considerado verdadeiro simplesmente pois não foi provado falso (ou provar que algo é falso por não ter provas de que seja verdade). Note que é diferente do principio científico de se considerar falso ate que seja provado que é verdadeiro.
Ex: A Bíblia é verdadeira pois ninguém pode provar o contrario.

Argumentum ad Misericordiam
Apelo a pena ou ao amor.
Ex: Eu não matei meus pais. Não me acuse, ja estou sofrendo o suficiente por ser órfão.

Argumentum ad Populum
Apelo ao povo. É a tentativa de ganhar a causa por apelar a uma grande quantidade de pessoas.
Ex: A Bíblia so pode ser verdadeira pois milhões de pessoas sabem que é. Não podem estar todos enganados.

Argumentum ad Numeram
Semelhante ao "ad populum". Afirma que quanto mais pessoas acreditam em uma preposição, mais provável é a preposição de ser verdadeira.

Argumentum ad Verecundiam
Apelo a autoridade eminente.
Ex: "Stephen Hawking concluiu que buracos negros liberam radiação."
Ex: "Encontrei Hamilton no elevador e ele disse que..."

Dicto Simpliciter
Ocorre quando uma regra geral é aplicada a um caso particular onde a regra não deveria ser aplicada.

Generalização Apressada
É o oposto do Dicto Simpliciter. Ocorre quando uma regra especifica é atribuída ao caso generico.

Non causa pro causa / post hoc ergo propter hoc
Dois eventos ocorrem um após o outro. O primeiro é identificado como o causador do segundo quando não é o caso.

Ex: "Eu tomei uma aspirina e rezei para Deus e minha dor de cabeça desapareceu. Deus curou minha dor de cabeça."

Ex: "O trovão vem sempre depois do relâmpago. Logo, o relâmpago é a causa do trovão."

Cum hoc ergo propter hoc
Afirma que apenas porque dois eventos ocorreram juntos, eles estão relacionados.

Petitio Principii
Ocorre quando as premissas são tão questionáveis quanto a conclusão alcançada.

Circulus in Demonstrando
Ocorre quando alguém assume como premissa a conclusão que se quer chegar.
Ex: Sabemos que Deus existe pois a Bíblia diz isso. E sabemos que a Bíblia é verdadeira pois ela é a palavra de Deus.

Falacia da Pressuposição.
Questiona um fato assumindo um presuposto verdadeiro.
Ex: "Quando você vai parar de bater na sua esposa?" "Onde você escondeu o dinheiro roubado?"

Ignoratio Elenchi
Ou Falacia da Conclusão Irrelevante. Consiste em utilizar argumentos válidos para chegar a uma conclusão que não tem relação alguma com os argumentos utilizados.

Anfibolia
Ocorre quando as premissas usadas no argumento são ambíguas devido a ma elaboração gramatical.

Acentuação
É uma forma de falacia devido a mudança de significado pela acentuação. O significado é mudado dependendo da ênfase das palavras.
Ex: compare - "Não devemos falar MAL dos nossos amigos." com "Não devemos falar mal dos nossos AMIGOS".

Falacia de Composição
É o fato de concluir que uma propriedade das partes deve ser aplicada ao todo.
Ex: Esta bicicleta é composta apenas por componentes leves, logo ela é leve tambem.

Falácia da Divisão
Oposto da falácia de composição. Assume que uma propriedade do todo é aplicada a cada parte.
Ex: "Você deve ser rico pois estuda em um colégio de ricos." ou "Formigas destroem árvores. Logo, esta formiga pode destruir uma árvore."

Slippery Slope
Este argumento diz que se um evento ocorre, então ocorrerá diversos outros eventos similares, sem prova que estes foram causados pelo primeiro evento.
Ex: Se legalizarmos a maconha deveremos tambem legalizar o crack, heroina, etc. Então não podemos legalizar maconha."

Falácias tipo "A" baseado em "B".
Ocorrem dois fatos. São colocados como similares por serem derivados ou similares a um terceiro fato.
Ex: O Islamismo é baseado na fé.
O Cristianismo é baseado na fé.
Logo o islamismo é similar ao cristianismo.

Afirmação do Consequente
É um argumento do tipo: "A implica B, B é verdadeiro. Logo, A é verdadeiro."

Conversão da Condicional Esta falácia é um argumento na forma: "A implica B, logo B implica A".

* Negaçao do Antecedente É um argumento do tipo: "A implica B. A é falso. Logo, B é falso."

* Negação da argumentação "Se A implica em B, logo o oposto de A implicara no oposto de B." Ex: "Os carros produzem poluição. Logo se não houver carros, não haverá poluição."

Bifurcação
Tambem conhecida como "falácia do branco e preto". Ocorre quando alguém apresenta uma situação com apenas duas alternativas, quando de fato outras alternativas existem ou podem existir.
Ex: "Então, você quer comprar conjunto completo ou apenas a camisa?"

Argumentum ad Antiquitam
Falácia que assume que algo é certo ou errado simplesmente por ser muito antigo, ou "pois sempre foi assim".

Argumentum ad Novitam
Oposto do ad Antiquitam. Assume que por algo é mais correto simplesmente por ser mais novo.

Argumentum ad Crumenam
Esta falácia é a de acreditar que dinheiro é fator de estar correto. Aqueles mais ricos são os que provavelmente estão certos.

Argumentum ad Lazarum
Esta é a falácia de assumir que apenas porque alguém é mais pobre, então é mais virtuoso e verdadeiro.

Argumentum ad Nauseam
É a aplicação da repetição constante e a crença incorreta de que quanto mais se diz algo, mais correto esta.

Plurium Interrogationum
Ocorre quando se exige uma resposta simples a uma questão complexa.

Red Herring
Falácia cometida quando material irrelevante é introduzido no assunto discutido para desviar a atenção e chegar a uma conclusão diferente.

Reificação
Ocorre quando um conceito abstrato é tratado como coisa concreta.

Tu Quoque
Falácia do "mas você também". Ocorre quando uma ação se torna aceitável pois outra pessoa também a cometeu.
Ex: "Você esta sendo abusivo." "E dai? Você também está."


Rodrigo Siqueira